pesquise no blog

sexta-feira, 28 de dezembro de 2018

2018: ano inoperante

O que fizemos em 2018? Existimos. Sem a opressão do ter que fazer, do ter que realizar, do ter que ter que ter que. O que fizemos? Abandonamos as exigências, as finalidades, nos livramos – alegremente – dos objetivos a alcançar. Juntxs e separadxs, separadamente juntxs, o que fizemos em 2018 foi existir apenas, sem mistificações. E percebemos, ao fim de um ano, que sobrevivemos, que aquilo que nos une, antes de ser o trabalho, é mesmo o desejo radicalmente honesto de estar; estar em companhia.

Foi então, 2018, algo sobre a (nossa) potência do não. Sobre compreender que todas as dificuldades de produção, de agenda, toda a luta individual dos inomináveis para darem conta de suas vidas, tudo isso antes de ser um problema era um fato. Assim, aceitamos nossa condição e afirmamos aquilo que nos impossibilitava como uma marca que nos era, que nos fundava e ainda agora funda. Por isso livrarmo-nos de tudo para reconhecermo-nos: nós, cada um, cada uma, mas nós, sobretudo nós.






E eis que o novo ano se anuncia: temível ano de Jair Bolsonaro ocupando a Presidência de nosso Brasil tão machucado, tão saqueado e golpeado. Eis que chega o ano em que a cultura brasileira, mais que antes, está na mira das metralhadoras, é alvo dos cortes, desvios e mil descasos. Nesse ano, neste profundo 2019 que agora chega, nossa força resplandece na mesma intensidade dos horrores por vir; ela está ainda mais abusada.

Descansamos em 2018 para nos gastarmos em próximos lances. Pois venha, 2019 – você já está atrasado, a gente já está realizando, se encontrando, compondo e criando. Da nossa impotência – a potência de termos podido fazer não – vimos nascer renovado o desejo que antes havia nos feito se encontrar. O desejo de criar, de desafiar o mundo e suas perversões, o desejo de dar um jeito – encontrar uma saída, um modo de – para ir adiante.

2018: ano inoperante.

29 de dezembro de 2018, feliz aniversário de 10 anos, Teatro Inominável !!!!!!!!!!

---

Por Diogo Liberano
Diretor artístico e de produção